Grab your mother’s keys, we’re leaving

É clichê começar o ano com uma retrospectiva. Mas é tão clichê que não é mais.
The Suburbs é o álbum do ano.


Fica difícil dizer algo que já não foi dito, ainda mais sobre um disco lançado a tanto tempo. Então, por isso, o que posso fazer é escrever o meu ponto de vista sobre o disco e sobre a banda.
O Arcade Fire cresceu muito, muito mesmo. Mas parece que as pessoas acabaram adorando de mais a banda, dizendo que ela é a nova sensação do rock de arena e que é a salvação do rock e todo esse papinho de merda da veja. Só queria tirar do peito: Arcade Fire talvez seja a melhor banda que apareceu nos últimos 10 anos, mas Modern Man, Neon Bible e Windowsill não são hinos de rock pra serem cantados no Morumbi (Deus me livre ver um estádio inteiro cantando ROCOCOOOOOOOOOOOOOOOOO).

 

Pronto.

So move your feet from hot pavement, and into the grass...

Primeiro, em Funeral, a banda (criada pelo casal Régine Chassagne e Win Butler) trata da infância, perda da família, e da morte em geral. Com o pomposo Neon Bible, a banda fala de religião, fé, dinheiro e família, novamente de uma maneira extremamente pessoal e até mesmo com algum humor (?) como em Antichrist Television Blues, dedicada ao ex-pastor e atual empresário Joe Simpson.

Em The Suburbs estamos todos adultos agora. Ficam no passado o dinheiro, a religião, o humor (?). Não tem nada de engraçado em ser adulto. Esqueça também os grandiosos arranjos de cordas e orgãos de igreja. Todo o peso do mundo está nas suas costas. E o mais fascinante disso tudo é que nos identificamos com toda a angustia sentida pela banda, seja querer um filho ao invés de uma filha, seja esperando em uma fila.

Olhando isso tudo por cima ficamos assim: O disco começa com a faixa titulo, lembrando das peripécias da infância em um bairro de classe média em Huston e deixando-as no passado com um certo remorso, em um folk-pop que faria bonito no top 10 de 1965 ou 66.

 

Sometimes I Can't Believe It, I'm Moving Past The Feeling

 

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20The%20Suburbs.mp3?w=f178a82e

 

Ready To Start já entrega logo de cara: hora de crescer. É a tentativa da banda (e de todos nós todos) de manter seus princípios e não se entregar às regras da sociedade – além de uma declaracão da banda de que querem fazer sucesso a sua maneira.

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20Ready%20To%20Start.mp3?w=ba453b6a

 

Mas o sistema é mais forte e, em Modern Man, você já se pergunta porque esta numa fila, com uma senha na mão, esperando sua vez. O tempo passa, e você não pode fazer nada. Lindo.

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20Modern%20Man.mp3?w=af75fc7b

 

Rococo lembra mais o trabalho antigo da banda “suburbana” fazendo uma chacotinha com a garotada modernosa e “do mal” do centro da cidade.

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20Rococo.mp3?w=e2a8448f

 

Empty Room já começa com urgência. Os arranjos de violino e viola dão o tom de desespero de quem está em um quarto escuro procurando por alguém, uma pessoa que se tornou irreconhecível. Um soco no estômago que me pegou logo na primeira audição.

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20Empty%20Room.mp3?w=8fc1535f

 

Em Suburban War o subúrbio já não e mais tão legal. Muito menos o centro da cidade. O Campo de batalha entre o suburbano e o urbano virou um lugar desconhecido e os amigos se esqueceram uns dos outros. A monotonia absorveu a vida das crianças da faixa titulo e transformou-as em Modern Man.

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20Suburban%20War.mp3?w=e6eda237

 

We Used To Wait fala sobre um desencontro amoroso e trocas de cartas e esse tipo de coisa. O problema é que a única coisa que consigo pensar quando ouço essa musica é o quão maravilhosa ela é e todo o sentimento de urgência, toda a melancolia, esperança,  o rancor, a simplicidade, e o arrojo da canção. Perfeita nota por nota.

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20We%20Used%20To%20Wait.mp3?w=072a4168

 

Hora de dançar. Em Sprawl II, Régine, reclama que só quer cantar mas que as pessoas ao seu redor querem que ela cresça e encare a vida como adulta. Ela parece querer voltar ao quarto escuro de Empty Room para não ter de “encarar a vida real”. Mas o que mais me diverte na musica – trando o lado Abba dela – é quando mandam ela desistir dessa vida pretensiosa.

https://dl-web.dropbox.com/get/Arcade%20Fire%20-%20Sprawl%20II%20(Mountains%20Beyond%20Mountains).mp3?w=fc3829a7

 

E por fim, o melhor fim possível:

If I could have it back

All the time that we wasted

I’d only waste it again

If I could have it back

You know I would love to waste it again

Waste it again and again and again

I forgot to ask.

 

Sometimes I can’t believe it

I’m moving past the feeling again

Sometimes I can’t believe it

I’m moving past the feeling again



Um comentário sobre “Grab your mother’s keys, we’re leaving

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s