Rockzinho para garotas? (ou A Boy Band que não é)

Sim. Não tem outro jeito de descrever a maravilha apoteótica (na cabeça de uma fã?) que é ver Adam Levine moving like Jagger e o Maroon 5 ao vivo, a banda que garotas caem de amores, mas que tem um antifã-clube fervoroso de odiadores masculinos (inveja?)

A banda, que concluiu a perna brasileira da turnê Overexposed, com shows neste fim de semana, veio e fez seus fãs felizes. Porém só não tão felizes quanto se seu vocalista tivesse realmente tirado a roupa, ao invés de colocar mais e mais camisetas que as fãs histéricas jogavam em seu palco.

“Adam seja o pai dos meus filhos” Assim. PELOAMORDEDEUS.❤

Mas a questão aqui é uma só: Qual é mesmo a linha tênue entre boys bands e um grupo de “rockzinho de garotas” como os californianos do Maroon?

Afinal, ter membros da bandas derretendo coração das jovens com seu rebolado é forma testada e aprovada que vem muito antes do Menudo, e que muito provavelmente virou sucesso (e fórmula imbatível do show bizz) com o Rei Elvis Presley. (Adam faz questão de passar muitos momentos do show de costas só para levar o público à estado de histeria coletiva com sua derriére).

Um público estritamente formado por garotas e gays? Check.

Hit makers? Check.

Músicas de amor que levam as fãs à histeria coletiva absoluta e lágrimas infinitas, como na baladinha She Will Be Loved, que todos tivemos que ouvir (muito provavelmente mais vezes do que gostaríamos) tanto quanto Adele toca no rádio hoje? Check também.

E mais N motivos, que levam os caras à loucura (“Adam Levine é gay”), e garotas idolatrem a trupe de Levine como se não houvesse o amanhã… Mas a diferença crucial vem mesmo das raízes mais groove do grupo, e isso não mora em suas baladas, mas como a eterna fórmula do coração partido da dupla Levine/Carmichael (Jesse, o guitarrista deles) consegue se transformar em excelentes músicas para a pista.

Apesar de repetir a mesma fórmula desde seu primeiro álbum, Songs About Jane (que por sinal já era uma ex-namorada de Levine), o grupo sucede por ter um rockzinho melódico e sem grandes pretensões. E enquanto isso não basta para muitos fãs de Led Zeppelin, Johnny Cash ou até mesmo dos Rolling Stones (que ganharam uma homenagem pop justíssima em Moves Like Jagger), é um som divertido tanto para a pista, quanto para uma garota sonhar com histórias de amor, coração partido e um amor imortal cantado pela voz irresistível de seu front-man.

É fácil ver assim por que caras insistem em odiar tanto uma banda que tem nome de lápis de cor. Mas rock-pop para as massas, e com letras de qualidade (não se engane: Eles SÃO POP. Mas isso nunca significou que letras deveriam NECESSARIAMENTE ser uma porcaria para encantar todo mundo)

A dica para encontrar essa banda que parece perdida no meio de apenas caras bonitos, histeria feminina do pior tipo e reboladinhas que arrancam suspiros nos shows do Maroon 5, é simplesmente ouvir seu primeiro cd, que completou 10 anos este ano (!) Songs About Jane (hoje são quatro álbuns, e fatalmente o nível comercial da banda vêm se elevando em um nível preocupante nos dias de hoje…) e ver como rockpop pode ser algo muito divertido. Até com as tais letras de coração partido e as baladas.

Mas se nada disso te convencer, você continuar achando coisa de menina, só resta uma certeza nessa vida: Você com certeza já dançou (e cantou?) This Love. E provavelmente se divertiu enquanto fazia isso!

xoxo

Chloe

Um comentário sobre “Rockzinho para garotas? (ou A Boy Band que não é)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s